Destaques

Sumiço de homem em Ipu segue um mistério

Residência da família. (Foto: Francisco José)
Ipu Post
Ao completar mais de 24 horas nesta quarta-feira (27/09), o desaparecimento de Gilmar Cursino Corrêa, 42 anos, ainda é cercado de mistérios. E nem sequer começou a ser investigado oficialmente pela Polícia Civil. Ele foi visto pela última vez nesta segunda-feira, dia 25 de setembro, ao sair de casa, na rua  rua José Euclides, bairro Alto dos 14, onde morava com a esposa e filhos.
 
Homem desaparecido. (Foto: Francisco José)

O repórter Francisco José esteve na casa do pedreiro, e conversou com a esposa e filhos que estão sem entender o desaparecimento do pai de família.

 

A esposa Luzanira que tem dois filhos com o Gilmar, com idades de 19 e 22 anos, disse que o esposo havia tido na noite anterior problemas intestinais, e amanheceu com febre, provavelmente consequência de uma infecção intestinal. Gilmar fora visto numa farmácia comprando remédio e depois ainda cedo da manhã, por volta dás 05h00 na região do bairro da Mina, depois disso não se soube mais nada sobre a localização do mesmo.

As dúvidas aumentam, haja vista, o pedreiro não ter apresentado nesse ínterim problemas psicológicos; uma depressão por exemplo. Gilmar saiu a pé, com uma pequena mochila nas costa, trajando uma blusa de manga comprida, cor azul com o nome da empresa Água Mineral Acácia, uma calça cinza, quase esverdeada, mas com outra roupa por baixo.

O pedreiro levou consigo o seu aparelho celular e seus documentos pessoais. Na manhã desta terça-feira  foram feitas buscas pela Guarda Civil Municipal, utilizando um drone nas matas do bairro da Mina, e nem um sinal, nenhum indício da presença do senhor Gilmar.

 

Com informações, áudio, fotos Repórter Francisco José

Comente com Facebook