EsporteMundo

Argentina suspende jogos de futebol desta sexta (2) após ataque contra a vice-presidente do país

Legenda: Associação do Futebol Argentino (AFA) coordena o esporte no país Foto: divulgação
Ipu Post

A AFA emitiu nota se solidarizando com a situação e pedindo o fim da violência

A Associação do Futebol Argentino (AFA) cancelou todos os jogos desta sexta-feira (2) após o atentado contra Cristina Fernández de Kirchner, vice-presidente do país. O Governo comunicou que “a paz social foi alterada” e decretou feriado nacional na referida data.

Ao todo, três partidas estavam previstas pelo Campeonato Argentino. Os confrontos que foram desmarcados foram: Patronato Unión de Santa FéLanús Tigre Rosario Central Talleres.

“Para que, em paz e harmonia, o povo argentino possa se expressar em defesa da vida, da democracia e em solidariedade à nossa vice-presidente. O povo argentino quer viver na democracia e na paz”, disse o presidente argentino Alberto Fernández em comunicado.

NOTA OFICIAL DA AFA

“A AFA expressa seu mais enérgico repúdio por lo sucedido con la vice-presidente da nação, Dra. Cristina Fernández de Kirchnner. Fazemos um chamado para a sociedade em seu conjunto advertindo que a violência de qualquer ordem nunca é o caminho. Todos os encontros programados para o dia de hoje estão suspensos”.

ATENTADO CONTRA CRISTINA KIRCHNER

Um homem foi preso por apontar uma arma para a vice-presidente da Argentina, Cristina Kirchner, de 69 anos, na noite desta quinta-feira (1°). O caso aconteceu em Buenos Aires, no bairro da Recoleta. As informações são do g1.

Conforme o jornal “Clarín“, o ministro da Segurança, Aníbal Fernández, apontou que homem teria sido identificado como Fernando Andrés Sabag Montiel, um brasileiro de 35 anos. No entanto, a arma teria falhado durante tentativa. A vice-presidente não foi ferida.

Centenas de militantes se reúnem desde a semana passada em frente à casa de Kirchner, acusada de corrupção durante seu governo (2007-2015) e contra quem o Ministério Público pediu uma sentença de 12 anos de prisão e desqualificação política perpétua.

 

 

Fonte: Diário do Nordeste / Matéria completa aqui

Comente com Facebook

Ipu Post