DestaquesMundo

Pessoas deixam isolamento na Croácia para se proteger do maior terremoto em 140 anos

Estragos provocados em Zagreb pelo tremor (Foto: DENIS LOVROVIC / AFP)
As ruas do centro amanheceram cheias de escombros e hospitais tiveram que ser evacuados
 

Tremores de até 5,5 graus de magnitude na escala Richter atingiram a capital da Croácia, Zagreb, e regiões vizinhas neste domingo, 22. Moradores tiveram de sair de casa em meio ao isolamento por causa da pandemia de coronavírus. O primeiro-ministro da Croácia, Andrej Plenkovic, disse que o terremoto foi o maior ocorrido na cidade nos últimos 140 anos.

Os danos na cidade incluíram a histórica catedral da cidade. O terremoto gerou ainda mais pânico pois interrompeu a quarentena de pacientes com coronavírus e o isolamento social preventivo de outros cidadãos. Incontáveis prédios da capital racharam; paredes e telhados foram danificados. As ruas do centro amanheceram cheias de escombros e hospitais tiveram que ser evacuados.

O primeiro tremor, o mais forte, ocorreu por volta das 6h30 (horário local). Outro aconteceu cerca de uma hora depois, seguido por réplicas de menor intensidade. Segundo o serviço de proteção civil, vários ficaram feridos, incluindo uma adolescente de 15 anos, hospitalizada em estado grave.

O Exército foi enviado imediatamente às zonas mais afetadas para remover os destroços, enquanto que especialistas em estática e arquitetos avaliavam construções, incluindo o edifício do Parlamento, que foi interditado. Várias áreas da capital ficaram sem eletricidade.

De acordo com o Centro Sismológico Euro-Mediterrânico (C-SEM), o epicentro do sismo foi localizado a cerca de 7 quilômetros ao norte de Zagreb e a uma profundidade de 10 quilômetros. Os tremores foram sentidos no sul da Áustria e na Eslovênia. A magnitude variou entre 5, 5,3 e 5,5 graus.

O ministro do Interior croata, Davor Bozinovic, pediu à população que permaneça nas ruas, mas evite se reunir em grupos, para não facilitar a disseminação do coronavírus. Há pelo menos 235 contágios confirmados e uma morte na Croácia. “Mantenham distância. Estamos enfrentando duas crises graves, o terremoto e a epidemia”, lamentou ele. A Croácia tem 4 milhões de habitantes.

A cerca de 50 quilômetros a noroeste de Zagreb se encontra a usina nuclear de Krsko, que funciona desde 1981 no território da vizinha Eslovênia, operada em cooperação com a Croácia. Segundo a agência de notícias eslovena STA, a central não sofreu danos, mas técnicos irão realizar avaliações adicionais nas instalações.


Com informações da Agência Estado, AFP e Deutsche Welle
Fonte: O Povo Online

Comente com Facebook

%d blogueiros gostam disto: